NOTAS DA SEMANA – 01.04.2021

ENTREVISTA MARA BUSSOLIN

  1. Quem é a Mara?  

Gaúcha, formada em Publicidade e Propaganda e pós-graduada em MKT pela PUCRS. Formada no  MBA na Fundação Getulio Vargas, além de realizar  muitos cursos na ESPM, todos relacionados à área de Comunicação.

 Atualmente cursando Pós em Vendas, Negociação e Resultados de Alta Performance, na PUCRS.

O início da carreira foi na midia, que tenho maior orgulho. Fui atendimento e cheguei a Diretora de atendimento. Atualmente,  Executiva Comercial do SBT, uma função que me desafia todos os dias.

Adoro o que faço, adoro praia, mar e muito sol. E adoro viajar, já planejando 2022!  Estar com a minha família e meus amigos é o que me faz mais feliz.

Casada,  tenho um filho maravilhoso e um filho canino que eu amo.

Sou determinada e adoro desafios. Não  tenho medo de aprender e fazer acontecer.

  1. Três lados do Balcão, cada um com características e desafios diferentes. Qual foi o mais difícil?

Como mencionei, tenho maior orgulho de ter começado a minha carreira como midia. Depois me tornei atendimento de uma das agências mais criativas e importantes do Estado, DCS. E fui responsável por uma das maiores contas do estado, Hipermercado BIG na QG/Publicis.   E hoje sou Executiva Comercial  do SBT. Não  acho que tenha um papel mais difícil, tem momentos de felicidade, conquista, de fazer acontecer. Tem momentos de angústia, de nervosismo e de incerteza. Como eu  adoro comunicação, eu sempre  entro de cabeça, sempre sou intensa no que eu faço, realizo.  Então todos os papéis e funções foram difíceis, desafiadoras e todas foram e são muito compensadoras. Hoje, estar no SBT é muito divertido, com um time muito legal num mercado que respeito muito.

  1. Tu acredita na unificação do mercado, das entidades, das associações? Por que?

Eu acredito muito. Já participei da ARP, reorganizei o Grupo de Midia do RS, fiz parte do Grupo de Atendimento do RS ( um grupo maravilhoso)  e atualmente faço parte da  Diretoria do GAV.

Com certeza a minha trajetória mostra o quanto valorizo estar a frente de grupos e associações que discutem o mercado, provocam mudanças e que unem pessoas.  Sou sócia da ARP pois é importante participar e contribuir para que todos cresçam e não ficar reclamando sem atitude.  E para que possamos enfrentar todas as mudanças e evoluções que o mercado, o consumidor e os negócios estão impondo em uma velocidade e uma intensidade grande só temos uma forma… Nos unirmos, discutirmos e pensarmos juntos. Só assim poderemos fazer um mercado mais forte e mais promissor.

  1. Esse último ano foi um dos momentos mais tristes da tua vida profissional?

Tenho como característica pensar pra frente. Esse último ano foi mais uma reinvenção. Sinto falta dos colegas e de reuniões com clientes e agências mas me adaptei muito bem. Fiz projetos, criei para clientes, li muito. Passei a adorar cada vez mais minha casa, meu espaço. Hoje fazer reuniões por vídeo e resolver rapidamente questões que as vezes tínhamos que aguardar uma agenda são muito compensadores. Acredito que aprendi a trabalhar de uma forma diferente. Mas aprendi por que no SBT temos um head, um time e colegas que tem uma objetivo único e todos estão sempre prontos para fazer acontecer. E vale para o jornalismo, vale para o comercial, vale para Opec, do Head de negócios ao colega da recepção da emissora. Então acredito que mesmo a distância continuamos muito próximos. E isso fez bem.  Acredito que possamos, daqui pra frente ter um modelo híbrido para trabalhar de forma mais rápida e objetiva.

Quanto aos negócios, nunca fiz tanto projetos e conteúdo para clientes. Acredito que esse é o caminho. Estar próximo, entender e customizar a entrega diferenciada.

E como comentei no início, vamos pensar no segundo semestre e em 2022?

 Não podemos parar, temos é que acreditar em um novo momento mais promissor e repleto de desafios.

LIVE GAV RS

O GAV-RS, em parceria com o CC-RS,  ARP e Feevale, está retomando a agenda de lives de 2021 e o primeiro tema é muito relevante para este momento que vivemos: 

A Mídia Digital é o único caminho para os clientes no meio desta pandemia?
Para ajudar na reflexão sobre este assunto o evento contará com as participações de Luís Henrique Bauer – Professor Feevale e Patricia Angeletti – Diretora de Mídia,  para dividirem suas experiências e entendimentos sobre o momento que estamos passando.

Essa Live, com uma discussão muito construtiva, acontecerá no dia 06 de abril, às 18 horas, via plataforma Zoom. 

Para participar deste projeto do GAV RS, que conta com o apoio do Clube de Criação do RS, ARP e Feevale.
Acesse o link:  https://zoom.us/j/94012565087

Sobre os palestrantes:
Professor Luis Henrique Bauer é Doutorando em Diversidade Cultural e Inclusão Social, Mestre em Inclusão Social e Acessibilidade, assim como, Coordenador do Curso de Fotografia e do Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Feevale onde atua como docente na graduação e Pós-Graduação desde 2011 nas áreas de marketing, marketing digital e comunicação digital.
Patricia Angeletti, atual Diretora de Mídia da W3HAUS, é formada em Publicidade e Propaganda pela PUC-RS, especialização em Marketing ESPM, Gestão Empresarial pela FGV. Atua no mercado há 18 anos, tendo passagem pelas agências Paim, Competence, Escala, Duplo M. Tem larga experiência com clientes de atuação nacional como  Lojas Renner, Camicado, Maxhaus, BR Malls, TIM, Italínea, Ambev, Walmart, entre outros. Foi mídia do ano pelo GRUPO DE MIDIA RS e Midia do Ano pela ARP. Presidiu o Grupo de Mídia do RS, bem como atuou junto a ABRADI.

PREFEITURA

As negociações entre as agências e a prefeitura sobre a campanha do IPTU em 2020 estão tendo informações de ambos os lados que não se encontram e continuam deixando os fornecedores que fizeram e entregaram seus serviços sem receber, tendo se passado 90 dias do vencimento do pagamento.

O mais estranho é que mais de 80% da campanha foi paga ,ou por pressão dos veículos da grande mídia, ou porque tinha que ser pago como dever.

Todos que tem a receber estão com várias histórias de porques  do não pagamento, colocando em cheque credibilidades.

A entidade que é dos profissionais, ARP, não vem em socorro dos seus sócios.

O Sinapro que sempre mediou casos de licitações e defendendo o interesse do mercado de agencias foi afastada do processo.

A Abap que congrega as agencias e tem o cenp como norma não diz nada.

Enquanto isso ,produtora de vídeo, fotografo, produtora de áudio, empresa de influenciadores e outros estão clamando pelo pagamento que é devido, pois além dos serviços tem muitas pessoas envolvidas sem forças para obter êxito, muito pior ainda nessa época pandêmica de pouco trabalho.

LICITAÇÕES DE AGENCIAS

Passada a fase da bandeira mais rigorosa sai a licitação do Governo do Estado RS:

Prefeitura de Porto Alegre deve licitar em Agosto

Prefeitura de Canoas também deve licitar.

Banrisul deve publicar o resultado esse mês.

SINDICATO DE EMPRESAS

Por absoluta falta de entendimento do mercado quanto a sua necessidade o Sindicato de OOH foi extinto.

E21

O Grupo TDV-Septodont agora faz parte do portfólio de clientes da e21/R.O.C. A agência – em alinhamento com seu braço de consultoria – irá realizar todo um trabalho estratégico de reposicionamento das marcas do grupo (TDV, Septodont e DLA). A TDV – empresa situada em Pomerode/SC – atua há 35 anos no mercado odontológico brasileiro. Em 2014, foi adquirida pelo grupo Francês Septodont, líder mundial em anestésicos locais para a área odontológica. No Brasil, a Septodont também é dona da marca DLA. Para gerar a mais perfeita posição estratégica para cada marca com absoluta integração e sinergia entre elas é que a e21/R.O.C, foram contratadas. O sócio-diretor da R.O.C., Fabiano del Rey, explica um pouco sobre o processo: “A primeira fase do Branding estratégico será construir um completo dossiê competitivo, situando o contexto competitivo. Depois virão as rodadas de imersão onde trabalharemos sobre o mapeamento inicial, os desafios estratégicos e a coleta de informações. Na segunda fase, a R.O.C e a e21 realizam uma série de workshops que serão fundamentais para a redefinição do negócio. Por fim, na terceira fase haverá um completo direcionamento estratégico, com a clareza da proposta competitiva de cada marca e um plano de ações de comunicação de marketing”, conclui ele. TDV + Septodont A TDV Dental Ltda. foi fundada há mais de 25 anos para fabricar produtos inovadores e de alta qualidade. No início, seu foco era utilizar tecnologia avançada e atrair profissionais altamente qualificados. Iniciaram suas atividades no Brasil e rapidamente expandiram seus negócios, promovendo seu produto em outros países. Hoje, a TDV produz uma variada gama de materiais auxiliares para dentística restauradora e prótese, os quais podem ser encontrados em mais de 65 países. Já a Septodont possui mais de 80 anos de experiência dedicados ao desenvolvimento e fabricação de produtos inovadores para os profissionais de odontologia. Desde sua fundação em 1932, a empresa vem fabricando uma extensa gama de produtos, desde anestésicos locais, géis tópicos e agulhas a materiais para obturação e soluções inovadoras para a área de dentística. A empresa emprega mais de 1000 funcionários e possui unidades produtivas na França, América do Norte e Índia. A Septodont possui uma rede de distribuição internacional que se dedica a atender às necessidades de profissionais de odontologia em mais de 150 países. Criação de uma nova estratégia mercadológica para o Grupo TDV Septodont Para esse projeto de melhoria de percepção das marcas, a e21 trabalhará sobre questões como segmentações de público e canais, além de desenvolver uma reflexão estratégica sobre o planejamento estratégico já existente no Grupo TDV Septodont. Dentre as atribuições da e21 também estão: estudar, analisar, mapear e criar soluções diferenciadas, para assim estabelecer uma narrativa competitiva, de relevância para a empresa e para cada uma de suas marcas. A duração prevista do projeto é de 8 meses. “Estamos muito motivados com mais esse desafio. Temos uma grande experiência em mercados de comunicação dirigida e vamos colocar toda nossa capacidade em análise de dados e em comunicação digital a serviço do Grupo. Queremos criar toda uma jornada de transformação
para gerar ainda mais valor para as marcas TDV-Septodont.” – Complementa Luciano Vignoli – Diretor-Presidente da e21

APP BRASIL

A Associação dos Profissionais de Propaganda (APP), entidade que apoia e estimula as atividades da comunicação e auxilia no aperfeiçoamento do profissional, elegeu Silvio Soledade, consultor de empresas e sócio da PlanoGestão, como presidente para os próximos dois anos de mandato. A assembleia Geral Ordinária registrou, virtualmente, a posse da nova diretoria nesta segunda-feira, 29, com a participação de associados e diretores.

Vice-presidente da entidade desde 2017 e membro do corpo diretivo desde 2009, Soledade sempre esteve à frente do planejamento estratégico e financeiro, alavancando projetos e trazendo movimento com temas que embasam o propósito da APP Brasil. “Em 1989, ainda estudante, me associei à APP e, 20 anos depois, em 2009, a convite do então presidente Paulo Chueiri, comecei a fazer parte da sua diretoria”, destaca Silvio Soledade. “Para mim é uma honra estar à frente da APP e ao mesmo tempo uma enorme responsabilidade”.

Consultor de empresas e sócio da PlanoGestão, Soledade também é membro da Assoc. Brasileira de Mentores de Negócios (ABMEN), mentor da Aliança Empreendedora e Coordenador da cadeira de Gestão Empresarial do Projeto Objetiva Audiovisual realizado pela APRO – Associação dos Produtores de Audiovisual em parceria com o SEBRAE. Atuou nas áreas de gestão de empresas tais como: TV Bandeirantes, TV Globo, Grupo RBS (RS e SC), Canal Rural, LageMagy (Grupo Talent), Agnelo Pacheco e Lautert Associados.

Para compor a diretoria que atuará até 2023, a APP conta com Antonio Toledano (Presidente de Atendimento e Mídia da Patria Comunicação) como 1º vice-presidente e Celso Vergeiro (CEO da Adstream Soluções Tecnológicas) como 2º vice-presidente.

No Conselho Administrativo, Financeiro e Fiscal atuam Antonio Lino, André Porto Alegre e Luiz Arnaldo Casali. Os Suplentes nomeados são Antônio Calil Cury, José Francisco Queiroz e Luiz de Alencar Lara.

Completando a chapa denominada APP85, compõe a Diretoria Executiva Adão Casares (Pressing 360 Marketing Digital), Afonso Abelhão (BigBee), Alaor Machado (KM Money), Alexandre Luppi (Compasso Coolab), André Porto Alegre (Law Consulting), Antonio Carlos Franchini (GTec), Antonio Izidoro (Izidoro Marketing Promocional), Bento Andreato (Instituto Elifas Andreato), Claudio Kalim (Tech and Soul), Ênio Vergeiro (Band TV), Fabiana Robertoni (Gambôa Advogados), Felipe Crespo (CreativosBr/FECAP), Gilberto Corazza (Turner), Helenice Moura (A Liga Digital), Jeferson Martins (Leo Burnett Tailor Made), José Mauricio Pires Alves (Atalho), Lina Moreira (The Forest), Lucia Faria (LF & Cia Comunicação Integrada), Luiz Carlos Corrêa (Albieri & Corrêa), Marcio Arruda (Neo Negocios Soluções e Representações Ltda.) Marcos Braga (Amigos do Mercado), Maria Teresa Arbulu (Consultora de Comunicação), Marta Gucciardi (Strato Cultura Organizacional), Paulo Gomes de Oliveira Filho (Paulo Gomes Advogados Associados), Paulo Zoega (Zoegas), Ramon Oliveira (MestreGP), Raul Nogueira (Grandes Nomes da Propaganda), Reginaldo Andrade (Founder), Renata Alcalde (ESPM), Toni Valente (AnimaFilm), Wagner Minor Yoshihara (Consultor de Mídia) e Wezilyana Farias (The Content House),

Reposicionando as atitudes de dentro para fora, Silvio Soledade inicia a gestão implementando a Diretoria de Diversidade e Inclusão, composta por Bento Andreato (Instituto Elifas Andreato), Helenice Moura (A Liga Digital), Jeferson Martins (Leo Burnett Tailor Made), Lina Moreira (The Forest) e Marta Gucciardi (Strato Cultura Organizacional), o objetivo é criar ações e discussões importantes sobre representatividade em diferentes núcleos e vivências sociais.

“A APP é uma entidade, de 83 anos, e sempre foi presidida por profissionais que mantiveram a sua importância e relevância”, pontua Silvio Soledade. “Chegar aonde ela chegou foi fruto da competência e engajamento destes profissionais. Sinto-me confortável em assumir esta posição, pois temos no corpo diretivo da APP profissionais, amigos, que generosamente doam parte do seu tempo para contribuir e devolver ao mercado sua experiência e seu conhecimento. Este é o maior valor da APP.”

O LEGADO DE ÊNIO VERGEIRO

Conduzir a APP ao seu propósito e colocar a entidade à frente de causas do mercado foram marcos na carreira de Ênio Vergeiro ao longo de uma década de mandato exercido voluntariamente. À frente da presidência da APP desde 2011, desenvolveu trabalhos contínuos na representatividade da associação junto ao mercado publicitário, instituições de ensino e demais entidades parceiras.

Ênio Vergeiro instituiu na APP serviços como a Câmara Nacional de Arbitragem e Mediação na Comunicação (CNA), que tem o objetivo de solucionar, extrajudicialmente, controvérsias e litígios através de mediação, conciliação e arbitragem e Entidade Depositária, que proporciona às agências e profissionais de comunicação a proteção de suas campanhas, garantindo total segurança e sigilo das peças, conceitos ou ideias.

Lançou a primeira revisão do Código de Ética dos Profissionais de Propaganda desde quando ele foi aprovado pelo congresso da categoria, em 1957. Além de ter movido novas frentes para eventos tradicionais como Jogos Publicitários, Fest’UP, Encontro de Capítulos e o Prêmio Contribuição Profissional.

“Estar na APP nestes 10 anos foi uma experiência totalmente gratificante, durante este período pude compartilhar experiências com grandes profissionais do mercado, que me acompanharam e apoiaram para fortificar este legado que a APP traz há 83 anos, deixo a presidência com a sensação de dever muito bem cumprido”, destaca Ênio Vergeiro. “Seguirei representando a entidade nas ações institucionais e no Conselho de Administração, sempre lutando para que a APP preserve seu propósito iniciado lá em 1937, a atualização do conhecimento, a valorização e o respeito com os profissionais”.

TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO VAREJO

O estudo foi feito entre fevereiro e março de 2021 com os maiores players do mercado, de 10 segmentos diferentes, indo desde moda e foodservice até lojas de departamento e de materiais de construção. Além disso, as companhias analisadas contam com faturamentos diversos, ultrapassando os R$ 100 milhões; 90% delas trabalham com o e-commerce – entre 2010 e 2015, a porcentagem das que possuíam o serviço era de apenas 26%. Já de 2015 para 2020, o número subiu para 53%.

Desde o ano passado, os varejistas vêm tendo que lidar com a ascensão da tecnologia nas operações. Em 2020, 42% dos entrevistados acreditavam que a transformação digital é prioridade na empresa, fazendo parte do desenvolvimento de planos estratégicos, com investimentos e ações definidas. Já neste ano, o índice subiu 15 pontos percentuais, chegando a 57%. 

A preocupação acerca do tema pode ser vista nos investimentos. Em relação aos anos anteriores – em que 69% voltavam parte do capital para o assunto -, 90% dos analisados investem em soluções digitais. O maior reflexo em relação à pandemia é a implementação das vendas online. Entre as soluções utilizadas, omnichannel e e-commerce lideram o direcionamento para os investimentos, com 35% e 18%, respectivamente. Em relação ao faturamento bruto, os varejistas investem em média 0,73% em transformações digitais – contra 0,39% em 2020.

O atendimento ao consumidor também foi objeto de estudo. As ferramentas utilizadas para atender clientes se concentram em soluções em meios de pagamento (94%), análises de dados no ambiente online (77%) e uso de QR codes (71%). O estudo revela também que a inteligência artificial ainda é pouco utilizada, mas que será uma estratégia para os próximos 12 meses.

Benefícios

Entre as vantagens apontadas pela implementação de tecnologias, as mais frequentes são o aumento do faturamento em vendas (74%) e do engajamento do consumidor em canais digitais (62%). Ainda que sejam significativos, o boom destes benefícios foi mais observado pelos entrevistados em 2020, quando as porcentagens atingiram 92% e 80% para cada item descrito. As respostas acerca dos pontos positivos também envolvem a redução de custos e aumento de market share e do volume de tráfego web e mobile. 

Tais benefícios direcionam para uma maior vantagem competitiva em relação à transformação digital. 57% afirmam que  os investimentos contribuíram “muito” para a empresa. Além disso, perceberam uma melhora da experiência do consumidor: 63% responderam que o indicador melhorou “muito”.

A cultura digital também está cada vez mais arraigada entre líderes e funcionários. Durante o período analisado, 85% dos varejistas têm colaboradores em estilo home office, um aumento de 23 pontos quando comparado ao ano passado. Para os próximos 12 meses, 29% afirmaram que irão incentivar o trabalho remoto.

O investimento em treinamentos e para a utilização de novas tecnologias adquiridas pela empresa subiu 11 pontos percentuais, resultando em 91%. Quase 100% declararam utilizar ferramentas digitais para realização de reuniões ou conferências, enquanto 93% não utilizam programas governamentais relacionados ao tema do estudo. 

O setor encara 2021 como um ano positivo. Até a próxima análise, em 2022, 41% apontam que aumentará o quadro de funcionários e 49% diz que continuará o mesmo. Apenas 10% declaram haver redução. Há também a intensificação da relação gestor-funcionário, deixando a hierarquia de lado e priorizando a integração. 97% dos varejistas acreditam que líderes são co-criadores, e trabalham em parceria com seus funcionários, contra 88% do último registro.   

“Faremos cinco anos em cinco meses, porque questões culturais que impediam a transformação das empresas caíram por terra nesta crise. As empresas estão precisando ser muito ágeis, trabalhar em squads, times horizontais, atuar remotamente e usar tecnologia para vencer os desafios e continuar operando”, afirma Eduardo Terra, Presidente da SBVC.

Entre tantas questões, a pandemia do coronavírus ficou marcada pela aceleração da era digital. As medidas de isolamento social, que tiveram início há cerca de um ano, transformaram relações de trabalho e consumo. Pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira do Varejo e Consumo (SBVC) indica que, neste ano, o crescimento de varejistas que apostam na transformação digital dentro das empresas foi de 21%.

AÇÕES DIGITAIS

Com o avanço da tecnologia, o marketing digital tem sido um grande aliado para as corporações. Ele, que ajuda a aumentar a visibilidade da marca no ambiente online, mantém as relações entre empresa e público. Para que isso aconteça de forma efetiva para ambos os lados, é necessário um investimento na presença digital da marca.

Os recursos disponíveis por meio dessa estratégia ajudarão na captação de potenciais clientes, que enxergarão valor ao terem uma boa experiência, tanto no ambiente online como offline. Diante disso, Sérgio Lima, publicitário que já atuou na S8Wow, uma das principais agências de comunicação com soluções omnichannel do país, separou seis ações essenciais para a presença digital da marca:

Site

Além de ser um ótimo espaço para ser a vitrine de seus produtos, ele deve apresentar as principais premissas da companhia, como sua história, descrição e canais de contato. É necessário que ela seja de fácil acesso e entregue as informações necessárias para seu público.

Blog

É um ótimo formato para atrair leads – potenciais clientes que vêm normalmente de mecanismos de pesquisa -. Neste espaço, eles podem conhecer um pouco mais sobre o que sua empresa oferece e seus diferenciais. Dentro do blog, existem diversos meios de fazer esse trabalho, como: e-books, vídeos, podcasts, gráficos, entre outros.

Redes Sociais

Outro formato que pode servir perfeitamente para a vitrine de seus produtos é manter contato próximo e humanizado com o público. Pode ser uma ótima ferramenta para atrair visitantes para o site e blog. Mas, para isso acontecer, é necessário que o conteúdo disponibilizado tenha uma abordagem adequada e periódica.

SEO

Esse conjunto de técnicas são essenciais para otimizar a página e fazer com que ela seja facilmente encontrada em pesquisas. Com ela, seu site ou blog tomarão destaque, aparecendo de maneira frequente aos visitantes, fazendo com que o número de potenciais clientes aumente consideravelmente. Algumas técnicas para ajudar nesse processo são: palavra-chave, imagens otimizadas, linkagens, URL amigável, entre outros.

Campanhas

Quando feitas em formato online ela é capaz de atingir o perfil desejado da empresa, que pode variar de acordo com idade, sexo, comportamento e região. Além disso, ela exige um investimento muito menor do que em mídias offlines, como panfletos e banners. Junto de tecnologias de monitoramento, é possível gerar relatórios e mensuração de resultados, que ajudarão a concretizar os resultados desde o início da campanha.

Interatividade Interaja com o seu público e promova ações de relacionamento, isso fará com que os consumidores enxerguem sua marca como uma aliada para a resolução de problemas. A presença digital reforça a credibilidade da empresa e a mantém cada vez mais próxima do consumidor.

FEEVALE

Nesta semana, a Universidade Feevale e o Instituto Toulouse Lautrec (ITL), do Peru, realizaram uma aula conjunta com os cursos de Fotografia de ambas as instituições. A atividade aconteceu nas disciplinas de Taller de Fotografia Digital, ministrada pela professora Ariana Oliva, do Toulouse Lautrec, e de Fotografia Experimental e Laboratório Fotoquímico, ministrada pela professora Laura Rueda, da Feevale. 

Durante a aula, os acadêmicos estudaram sobre fotógrafos contemporâneos que trabalham com fotografia alternativa no Brasil e no Peru. “A internacionalização das áreas é muito interessante. Fico feliz pelo curso de Fotografia efetivar a parceria e possibilitar aos alunos terem novos olhares, em especial com uma instituição parceira da Feevale, como a Toulouse Lautrec”, ressalta Luis Henrique Rauber, coordenador dos cursos de Fotografia e Publicidade e Propaganda da Feevale.  

A atividade faz parte de uma parceria entre os cursos de Publicidade e Propaganda e Fotografia das duas instituições. A série de aulas acontecerá ao longo do semestre, potencializando a internacionalização entre alunos e professores, e promovendo o conhecimento entre as universidades. 

Libras Básico

A Universidade Feevale realizará, entre os dias 7 de abril e 5 de maio, o curso Libras Básico, para estudantes e profissionais da área da Saúde, na modalidade on-line. A qualificação tem como objetivo melhorar a comunicação entre surdos e ouvintes e promover a ampliação do acesso de pessoas surdas na área da Saúde, por meio de profissionais capacitados.  

O curso, que será realizado as quartas-feiras, das 18h às 22h, será ministrado pela professora Luciane Schutz Kruche. As inscrições devem ser realizadas pelo site www.feevale.br/cursoseeventos, onde, também, podem ser obtidas informações como investimento, por exemplo.   

Confira o programa:  

– Vocabulário básico relacionado à área da Saúde, através de aulas sinalizadas 
– Contexto histórico das pessoas com deficiência 
– A diferença surda a partir de uma concepção socioantropológica da surdez 
– As singularidades linguísticas e culturais dos surdos 
– Atividade de simulação com pessoas surdas 

Experiências no exterior

No dia 8 de abril, às 18h, a Universidade Feevale, por meio da Diretoria de Relações Internacionais e Institucionais, realiza a segunda edição das salas ao vivo no perfil @feevaleinternational no Instagram. Com o tema Como é viver, estudar e trabalhar nos Estados Unidos, os egressos Luiz Hendrischky, do curso de Biomedicina, e Vitória Schilling, do curso de Jornalismo, participarão da transmissão contando sobre as suas experiências profissionais e acadêmicas no exterior.  A participação no bate-papo será gratuita e aberta à comunidade.

COCA-COLA BRASIL

A Agência Lema anuncia a conquista de mais um grande cliente: as marcas da Coca-Cola Brasil. Desde meados de 2020, a agência tem atuado à frente do desenvolvimento da estratégia e execução de projetos em Brand PR para todas as marcas de não-alcóolicos da companhia, sendo responsável por criar, desenvolver e planejar ações estratégicas em PR para as campanhas e lançamentos de produtos, além de promover o relacionamento das marcas junto à imprensa e influenciadores orgânicos. Entre os projetos já liderados pela Lema desde o início do trabalho estão: Natal Coca-Cola, lançamento do novo posicionamento global de Fanta, verão Sprite e a campanha “Marca um 10”, de Leão. A agência tem atuado junto às marcas: Coca-Cola, Fanta, Sprite, Kuat, Leão, Del Valle Kapo, AdeS e Crystal.

Além dos sócio-diretores da Lema, Leandro Matulja, Letícia Zioni e Guilherme Maia, a equipe de atendimento para as marcas de Coca-Cola Brasil é composta por Maria Puebla como gerente de atendimento e projetos, Ana Cláudia Luiz como coordenadora de imprensa, Carla Farias como atendimento de imprensa, Victor Rulo como atendimento, Felipe Vaitsman como coordenador de planejamento e criação, Luis Henrique Sorroche como planner, Gabriel Pasin e Sid Oliveira como diretores de arte, Rodrigo Guarizo e Anderson Neco como redatores, Tchelo Gomez como Digital PR, Felipe Lopes como Business Intelligence, e Magda Castagna como gerente de produção executiva. A Coca-Cola Brasil atua em nove segmentos de bebidas: refrigerantes, sucos, lácteos, bebidas vegetais, água, águas especiais, água de coco, bebidas esportivas e chás. Com uma linha de mais de 200 produtos, entre sabores regulares e versões sem açúcar ou de baixa caloria, o sistema é composto por nove grupos de fabricantes franqueados, o Instituto Coca-Cola Brasil, mais Verde Campo e a parceria com Leão Alimentos e Bebidas.

MASBAH!

O “Masbah!” deste sábado, 03 de abril, entra na onda dos truques e das mágicas que têm conquistado a Internet e aprende como participar da brincadeira. A apresentadora Brunna Colossi conversa com uma criadora de conteúdo que revela os principais segredos desses truques e ensina alguns que podem ser feitas em casa, como por exemplo, a colher que atravessa o pote de água e o lápis que desaparece.

O programa também visita o mundo do videogame e bate um papo com brasileiros e gaúchos que participam de um time latino-americano que participa de um campeonato de jogos eletrônicos na Coreia do Sul. Eles falam da rotina e contam os bastidores da preparação da equipe por lá. 

Já o Panelando está em clima de Páscoa e invade uma produção de ovos de cookies. Em vez do chocolate, o tradicional doce ganhou uma nova versão exótica, que envolve biscoito, queijo cremoso, brigadeiro branco, frutas vermelhas e muito açúcar – uma mistura deliciosa para aproveitar a data.

Na cozinha do programa do “Anonymus Gourmet”, é a vez da receita “Paella Rio-Grandense”.

O “Masbah!” é exibido aos sábados, a partir das 12h, e o “Anonymus Gourmet”, logo após, no SBT do Rio Grande do Sul.

FENAPRO

As alternativas para as agências reposicionarem seu negócio, frente às mudanças causadas pelo impacto do digital no mercado, foram o tema desta quarta-feira (25/03). do programa Chacoalha , que tem abordado os diversos capítulos do paper “Fenapro Transforma”, sobre as transformações do mercado e os desafios das agências em se adaptarem à nova realidade. Elaborado pela elaborado pela FENAPRO (Federação Nacional das Agências de Propaganda), o paper aborda, em seu quinto capítulo, as alternativas de reposicionamento das agências, tema debatido por Vera Rocha, presidente do Sinapro-BA; Paulo Donato, presidente do Sinapro-CE, e por Daniel Queiroz, presidente da Fenapro, durante o Chacoalha desta semana.

O documento destaca que a inteligência de mercado e a atuação consultiva estratégica com foco nos resultados empresariais serão alternativas mais efetivas de valorização das entregas das agências. Há busca não só por agências criativas, mas que sejam parceiras e capazes de alavancar negócios, oferecendo também a inteligência com base em dados analíticos, demanda essa que exige um papel mais consultivo delas.

“Estamos caminhando para uma absoluta transformação no nosso modelo de negócio. Quando nos dizemos consultores de publicidade e comunicação, isto significa ter uma atuação muito mais ampla do que apenas criação e publicidade. No nosso setor, o consultor é aquele que produz conhecimento, trabalha com ferramentas técnicas e com análise de dados, e que deve ter hoje um profundo conhecimento do consumidor final da marca com a qual está trabalhando”, afirma Vera.

“Penso que, nessa transformação em curso, temos que estar preparados para entregar resultados inteligentes no curto prazo. Temos que apresentar nossas soluções de forma a encantar os clientes, sem deixar de realizarmos nosso trabalho como agenciadores e criativos, mas com o viés consultivo, mostrando ao cliente que não só executamos, mas pensamos estrategicamente o resultado desejado por ele “, salienta Paulo Donato.

Boa gestão da agência é fundamental

A transformação das agências para essa nova realidade requer cada vez mais uma boa gestão de negócio. Daniel Queiroz, presidente da Fenapro, acredita que hoje já é fundamental que os empresários deste setor saibam gerenciar seus negócios de forma a entender e prover aquilo que o mercado está pedindo, especialmente, uma nova mentalidade na hora de precificar seus serviços com base na expertise e capacidade técnica de seus profissionais, e dos custos arcados para a entrega dos serviços.

“Durante décadas o mercado precificou seu serviço a partir do desconto padrão e a remuneração por bonificação de volume. E isso tirou o foco por uma precificação também por cada tipo de serviço com base no custo e na capacidade de entrega das agências. Contudo, agora, é mais do que necessário que os empresários entendam que o contexto de remuneração das agências passa por um bom estudo sobre como precificar melhor seus serviços para clientes com verbas menores para mídia, cada vez mais sazonais e com campanhas de curto prazo”, salienta Queiroz.

Agências devem participar dos espaços associativos e trocar experiências

O paper da Fenapro sugere, e os debatedores também concordam, que o espaço associativo deve ser mais utilizado pelas agências, para compartilharem experiências que contribuam para mudar essa realidade do mercado, gerando ganhos mútuos e promovendo a capacitação de profissionais para atuarem como consultores, dando agilidade à adaptação das agências à nova realidade do mercado.

“O espaço associativo é uma alternativa para que agências, com focos e contextos diversos, compartilhem e troquem experiências que podem gerar benefícios para elas próprias e a todo o mercado. Através destes espaços, podemos aprender uns com os outros e enfrentar juntos os atuais desequilíbrios do setor causados pelo impacto da transformação digital, como a falta de regulamentação das plataformas digitais, por exemplo”, afirma o presidente da Fenapro.

“Vejo como muito importante o trabalho das entidades associativas que temos no mercado, que podem e devem fomentar a participação dos associados e os ajudarem a se preparar melhor para essa mudança que o mercado está passando, e para a necessidade de nos transformarmos em consultores”, afirma Donato.

Para resumir o que as agências precisam ter em mente, Vera lembrou de uma citação que o publicitário Sérgio Gordilho fez em uma edição anterior do Chacoalha em julho de 2020: “Para a agência crescer, ela precisa dos três erres: Relação, Relevância e Remuneração. Mais do que nunca, essa pequena regra dos três erres deve ser o norte das agências. temos que construir uma boa relação com os clientes que os façam perceber a relevância do nosso trabalho, para chegarmos a uma remuneração mais justa pelos nossos serviços”.

Alternativas para o Reposicionamento Empresarial:

• A inteligência de mercado e a atuação consultiva estratégica com foco nos resultados empresariais poderão ser alternativas mais efetivas de valorização das entregas das agências.

• Algumas agências estão ampliando seu portfólio de serviços, oferecendo soluções de planejamento estratégico de comunicação e marca, ideias e entregas criativas, business intelligence e ferramentas digitais e de dados.

• Uma correta definição dos clientes-alvo pode induzir as agências a se tornarem especialistas nos consumidores-alvo dos seus clientes, entendendo melhor seus hábitos de consumo e, com isso, viabilizando entregas mais impactantes e efetivas para seus clientes.

• O principal ganho da digitalização não será a substituição (automation) das atividades humanas, mas sua potencialização (augmentation).

• A boa gestão nas agências é fundamental, pois muitas vezes se pensa apenas na criação.

• O espaço associativo é uma alternativa para que agências com focos e contextos diversos possam compartilhar e trocar percepções e experiências com outras empresas do mercado, gerando ganhos mútuos.

• O espaço associativo viabiliza o enfrentamento dos desequilíbrios de mercado,

como a falta de regulamentação das plataformas.

• O espaço associativo possibilita que as empresas promovam em conjunto uma

qualificação dos profissionais e, por consequência, de mercado.

Mais informações do Fenapro Transforma podem ser obtidas acessando o paper por este link: https://bit.ly/paper-transforma

ATIVA MULTICANAL

A segunda fase da digitalização de mais 20 faces de bancas digitais foi finalizada e totaliza um circuito com 30 faces digitais.

Com uma cobertura de 30 endereços em 21 bairros de Porto Alegre, proporcionará ao anunciante estar presente junto ao seu consumidor de forma impactante e com alta visibilidade nos trajetos de deslocamentos urbanos. Flexibilidade na troca de materiais, agilidade e possibilidade de múltiplos layouts são algumas características deste canal.

“ O circuito de bancas digitais acompanha a jornada do consumidor e aproxima os anunciantes do seu público, com a qualidade, a agilidade e a flexibilidade que o formato digital permite , diz João Moreira, Diretor Comercial da Ativa”.

A digitalização das bancas dá continuidade no processo de digitalização dos ativos que a empresa deverá prosseguir ao longo deste ano.

ABAJUR

De fato, a metodologia de “propaganda de convivência”, defendida pela agência, demanda uma equipe muito versátil e esta polivalência tem atraído clientes de diferentes setores, que querem contar com apoio e proatividade em qualquer tipo de mídia. Até mesmo neste momento atípico de mercado e com a rotina da agência adaptada inteiramente para home office, a multidisciplinaridade dos “abajures” é validada. Para alguns clientes é momento de reforço da comunicação digital, enquanto para outros a agência encontra plataformas como as próprias embalagens para comunicar.

Segundo o Diretor de Criação André Zambam, a Abajur sempre teve a proposta de criar experiências de comunicação menos invasivas e as embalagens são um exemplo de excelentes plataformas para esse objetivo. A agência, que tem ganho muitos prêmios de design nos últimos anos, garante que está desenvolvendo outros lançamentos e projetos envolvendo PDV e varejo supermercadista no próximo mês.  O Grupo Silvestrin, com as marcas Silvestrin Frutas, Simplesmente Frutas e Divertidas é um caso. De mídia impressa a redes sociais, de promoções de PDV a Endomarketing, a Abajur já vinha atendendo a empresa em formato job e passou a um contrato fixo em 2020. Sempre disposta a trazer mais qualidade de vida aos clientes, a Silvestrin passa agora a adotar o slogan “a marca da fruta”, em peças gráficas coloridas que comparam gomos de frutas a sorrisos.

Além de cuidar do branding e das campanhas do grupo nacionalmente, a agência, que também tem um forte braço internacional, incorporou pautas de projetos de exportação da empresa e de sua parceira italiana Euro Company.

DATA STORIES

O smartphone tornou-se uma extensão do corpo humano, com inúmeras facilidades que possibilitam a comunicação e relacionamento, compras, acesso à informação e entretenimento. A edição de março do conteúdo temático Data Stories, produzido mensalmente pela Kantar IBOPE Media, mostra que 69% das pessoas que acessaram a internet por dispositivos móveis afirmam não viver sem ela no celular.

O contato com a tecnologia está em ascensão e aumentando dia a dia, principalmente nesse período de pandemia. Mais de oito em cada 10 pessoas acessam a internet através de dispositivos móveis, o que representa 84% dos respondentes. Os números são realmente expressivos: houve aumento de 220% nos últimos 10 anos e 24% da população como usuários exclusivos de aparelhos mobile para conexão.

De certa forma, o smartphone tem nos ajudado a passar pela pandemia trazendo facilidade para o dia a dia. Conveniência é a palavra chave para quem acessa a internet pelo device para serviços. 74% dos usuários de internet via dispositivos mobile possuem serviço de pagamento de compras diretamente pelo smartphone e 55% realizaram compras online nos últimos 3 meses. Durante a pandemia, 78% deles aumentaram ou começaram a comprar online serviços com entrega delivery e 63% a comprar alimentos com entrega delivery.

O acesso mobile também diminuiu distâncias e aproximou pessoas, com 74% dos usuários desse tipo de aparelho utilizando algum serviço de mensagem instantânea ou e-mail, sendo que 45% aumentaram o uso de serviços de mensagens instantâneas na pandemia.

Segundo o TG.Net, as atividades em redes sociais por meio dos dispositivos móveis que mais se destacaram foram:

Notícias e entretenimento na palma da mão

A busca por acesso e compartilhamento na pandemia também foi potencializada no smartphone. Entre quem acessou a internet por dispositivos móveis, 50% leram notícias por esse tipo de aparelho, 86% consideram importante que os sites que visitam inspirem confiança e 62% só compartilharam a informação depois de checar se a fonte é confiável.

Os aplicativos e jogos para celular e tablet tiveram destaque como opção de entretenimento, indicando que 62% dos usuários de aparelhos mobile jogaram games online durante a pandemia. Os vídeos online também foram assistidos pelos aparelhos móveis de 81% dos usuários. Os cinco tipos mais assistidos foram notícias (36%), séries internacionais (34%), comédia (31%), Comida/Bebida/Culinária (25%) e animações (22%).

Publicidade em Paid Social

As marcas encontraram no celular diversas oportunidades para se comunicar com o seu consumidor e 44% das impressões em mobile em janeiro foram realizadas por Paid Social, os anúncios nas redes sociais.Disney+, Itaú, Santander, Netflix e Bradesco foram as marcas que mais investiram em Mobile Social.

Além das redes sociais, também é fato que assistir vídeos é uma das atividades mais realizadas via dispositivos mobile, aumentando assim a relevância desse tipo de formato para que as marcas se comuniquem com seus consumidores. Destaque para cinco setores: serviços ao consumidor, com 23% do investimento total, comércio com 23%, telecomunicações com 15%, farmacêutico com 14% e alimentos com 4%, que unidas perfazem um total de 79% em investimento total em Mobile Video.

E o mobile já vai além do celular. A crescente utilização de dispositivos inteligentes, os chamados Smart Devices, ativados por voz, começa a se popularizar no Brasil e 15% das pessoas que acessaram a internet por dispositivos móveis já usam o serviço para atividades como iluminação, cortinas, alto-falantes etc.

Confira mais na edição de março do Data Stories. Disponível no site da Kantar IBOPE Media.

MERCADO LIVRE

Todo e-commerce sabe que os investimentos em tecnologia e processos são muito importantes para o sucesso empresarial. O Mercado Livre desenvolve produtos de base tecnológica que são utilizados por milhões de pessoas na região e que estão mudando a forma como os latino americanos compram e vendem pela internet. A tecnologia é o núcleo do negócio e o motor que impulsiona o crescimento de todo o ecossistema – mas a tecnologia por si só não é o suficiente. Existem pessoas desenvolvendo ferramentas, cuidando do atendimento ao cliente no pré e pós-venda, dando suporte aos compradores e vendedores, para que a experiência com a plataforma seja cada vez melhor. Com esta campanha, a empresa líder em tecnologia para comércio eletrônico e serviços financeiros na América Latina destaca os talentos que fazem do Mercado Livre o marketplace referência no mercado digital.

Com o conceito ‘pessoas e tecnologia em perfeita harmonia’, a nova campanha institucional para a América Latina, da GUT São Paulo e GUT Buenos Aires, mostra quem está por trás do sucesso do Mercado Livre. A campanha, que será lançada em toda a América Latina no final de março, conta com cinco filmes que poderão ser vistos ao longo de todo ano e que irão apresentar as principais responsáveis por criar e coordenar as ferramentas tecnológicas para destacar o Mercado Livre no topo do e-commerce. Por meio dos vídeos, será revelado como funcionam os processos de venda, pagamento, logística e atendimento aos clientes e parceiros; mostrando o trabalho de quem faz as coisas acontecerem: seus colaboradores.

Os dois primeiros filmes da campanha explicam os processos básicos do Mercado Livre: o programa Compra Garantida e Envio Rápido. Os filmes serão acompanhados de uma versão remixada de Three Little Birds, de Bob Marley.

“A campanha busca dar visibilidade para quem está por trás das tecnologias aplicadas em cada uma das compras, vendas e transações que são realizadas diariamente em nossa plataforma, além de mostrar como trabalhamos para oferecer a melhor experiência a todos os usuários da América Latina. Nosso objetivo para este ano é continuar trabalhando na construção da confiança em nossa plataforma”, destacou Andrés Patetta, vice-presidente de Marketing do Mercado Livre. “A proposta é destacar os valores mais importantes para o Mercado Livre: a tecnologia e as pessoas. A tecnologia é parte do nosso DNA, mas também, sabemos que toda esta tecnologia aplicada não seria possível sem o talento e o trabalho dos mais de 15 mil colaboradores que estão por trás dela”, acrescentou Louise McKerrow, diretora de branding do Mercado Livre.

“O Mercado Livre tem uma missão muito clara: democratizar o comércio eletrônico para que todas as pessoas e empresas possam fazer negócios pela internet. Para que isso aconteça, existe um mundo gigante além do aplicativo que os compradores não veem. Esta campanha proporciona visibilidade para a grandeza da logística e atenção aos detalhes, que dão ao usuário a tranquilidade de saber que tudo vai ficar bem”, explicaram Bruno Brux (ECD) e Joaquín Cubría (CCO) de GUT.

WHATSAPP

Uma pesquisa divulgada pelo portal CupomValido.com.br com o Statista, revelou as redes sociais mais usadas no mundo. Em primeiro lugar, com mais de 2.7 bilhões de usuários ativos, está o Facebook. Em segunda posição, com 2.2 bilhões de usuários ativos, está a rede social de vídeos, Youtube. Em terceira posição está o WhatsApp, com mais de 2 bilhões de usuários ativos. Instagram, Wechat e TikTok, seguem respectivamente em 4ª, 5ª e 6ª posição.

Redes sociais preferidas pelos brasileiros
No Brasil, o Facebook também segue na liderança, com 51% do total. A rede sociais de fotos, Instagram, segue como 2º colocado, com 14% de preferência entre os brasileiros. Twitter e Pinterest, ficam respectivamente com 13% e 12%.

Tempo gasto por dia nas redes sociais
O Brasil é um dos países com o maior tempo de utilização médio das redes sociais por dia. O tempo médio pelos brasileiros ultrapassa 3 horas por dia.
Comparando com a média mundial, 145 minutos por dia, o Brasil tem um tempo de utilização 55% maior.

Posição do Brasil no rank mundial
Comparando o Brasil com outras nações, no caso do Instagram somos o país na 3ª posição com mais de 99 milhões de usuários ativos (só perdendo para Estados Unidos e Índia).
Para o Facebook, o Brasil fica na 4ª posição, com mais de 130 milhões de usuários. A Índia, Estados Unidos e Indonésia, estão respectivamente na 1ª, 2ª e 3ª posição.
No caso do WhatsApp, o Brasil está na 2ª posição (somente atrás da Índia). E no Twitter, está na 4ª posição (atrás dos Estados Unidos, Japão, Índia e Reino Unido).

VAREJO E E-COMMERCE

Ainda que a pandemia do coronavírus ainda pareça longe de acabar, com a situação um pouco mais controlada e a diminuição no número de novos casos em alguns países, ocorreu a suspensão do lockdown em cidades pelo mundo e também regras mais brandas quanto ao isolamento, permitindo que as pessoas saíssem de casa para algumas atividades. Com isso, ocorreram alterações também no engajamento das indústrias nas redes sociais se levarmos em consideração seus setores. É o que aponta o estudo mais recente da Socialbakers, plataforma líder global em soluções para a otimização de performance corporativa em redes sociais, recentemente comprada pela Astute, plataforma líder de engajamento do cliente.

O levantamento revela o setor de Varejo como líder em engajamento no Facebook, com 19,6% do total de interações da rede. Diferentemente do que ocorreu no ano anterior, quando o e-commerce ocupava a primeira posição, deixando o ramo de varejo com a vice-liderança. No Instagram, as coisas mudam um pouco já que o primeiro lugar ficou com o e-commerce, que contou com 23,4% das ações dos usuários. O setor havia ficado na segunda posição em 2019, quando a liderança da rede social em engajamento era do segmento de moda.

Já o setor de serviços alimentícios, que aparecia na quarta posição no ranking do Facebook no levantamento anterior, agora não está mais em destaque no top 5 da rede social, dando lugar para a indústria de beleza, que não aparecia no último estudo e agora conta com 8,5% das interações no Facebook.

De acordo com Alexandra Avelar, country manager da Socialbakers, as redes sociais devem ter destaque na comunicação com os consumidores. “Este ano, devemos perceber oscilações ascendentes em uma série de áreas, incluindo comércio social, investimento em publicidade e o uso de micro influenciadores. Além disso, com tantos consumidores continuando a recorrer aos canais digitais, as redes sociais se tornarão cada vez mais um componente crucial da experiência do cliente”, comenta.

Abaixo estão os setores que se destacaram em cada uma das redes sociais:

Facebook

1. Varejo – 19,6% das interações
2. e-commerce – 16,2% das interações
3. Beleza – 8,5% das interações
4. Serviços – 8,4% das interações
5. Moda – 6,6% das interações

Instagram

1. e-commerce – 24,5% das interações
2. Moda – 22,5% das interações
3. Varejo – 14% das interações
4. Beleza – 11,6% das interações
5. Serviços – 7,6% das interações

Metodologia do relatório
Os Social Media Trends Reports refletem o banco de dados da Socialbakers no início do trimestre seguinte ao trimestre do relatório. Os dados são extraídos uma vez e não são atualizados entre as liberações.

PRESENÇA DIGITAL

Para uma empresa, estar presente no digital e fundamental para que ela continue gerando bons resultados de vendas, mas não só ter um e-commerce, ela precisa estar nas redes sociais e ser relevante para o público que a segue. Quando está presente nesses canais, é preciso criar conteúdos que agradem os seguidores para gerar engajamento e alcançar o maior número de pessoas.

Pensando nisso, o Instituto Brasileiro de Presença Digital (IBPD), que tem como objetivo ajudar negócios de todos os portes e segmentos a abrirem um canal de vendas online, preparou cinco dicas que vão ajudar sua franquia ao criar conteúdos que engajam. Confira abaixo:

Crie conteúdos que resolvam problemas
Seu produto ou serviço soluciona uma necessidade, uma dor ou um desejo, seus conteúdos também precisam satisfazer essas emoções, pense em conteúdos práticos ou dicas que os ajude.

Crie conteúdos para interação
O objetivo de todo conteúdo é gerar interação e para isso você precisa estimular o seu público a tomar essa ação. Adicione as suas postagens um CTA (Call To Action), uma chamada para o seu público curtir, comentar, salvar e compartilhar o seu post.

Crie assuntos com base no que você sabe que funciona
Para saber quais os conteúdos que performam melhor, analise sempre as suas métricas. Dessa forma, você entenderá que tipo de conteúdo gera mais engajamento.

SEMPRE interaja com seu público
Se você quer engajamento precisa interagir com o seu público, responda aos comentários, assista e reaja aos stories e participe de enquetes. Assim, a interação passa a ser mútua e os seus seguidores percebem que você também tem interesse no que eles publicam, não só na interação deles com o seu perfil.

Faça conteúdos em vídeo
Pessoas se conectam com pessoas e os vídeos trazem proximidade com o público, desperta a sensação de que você está falando diretamente com ele. Além disso, para muitas pessoas, é mais prático assistir a vídeos ao invés de parar para ler uma publicação, por esse motivo aposte em vídeos informativos, com dicas e sugestões que resolvam um problema.

ROI E MARKETING DE INFLUÊNCIA 2021

A YOUPIX, consultoria de negócios para a Influence Economy, realizou a terceira edição da pesquisa ROI e Influência 2021. Dessa vez, a empresa contou com a parceria do grupo de pesquisa AlgoritmCOM para o resultado dos dados qualitativos.

A importância do Marketing de Influência cresceu dentro das empresas e nenhuma marca acredita que essa disciplina não deve ser parte da estratégia de comunicação. O engajamento é um dos critérios mais considerados na hora de escolher um influenciador.


Durante a pesquisa, 94 grandes empresas responderam às perguntas. Mais de 60% das respostas foram de executivos de altos cargos, como CEOs, diretores, gerentes e coordenadores de empresas de diferentes segmentos.


Destas, 71% consideram o Marketing de Influência muito importante e/ou parte central da estratégia. Pela primeira vez, desde que a YOUPIX iniciou os estudos, nenhuma das marcas assinalou que o Marketing de Influência não é importante ou não faz parte da estratégia da empresa. Os dados também revelam que 83% consideram que, com a pandemia, o Marketing de Influência se tornou mais estratégico para os seus negócios.


“As marcas não têm mais dúvidas de que o trabalho com influenciadores é essencial dentro do mix de disciplinas de marketing. Isso também se refletiu no budget das marcas: as quantidades de empresas investindo mais de R$5 milhões por ano dobrou”, explicou Bia Granja, sócia e consultora de influência da YOUPIX.


Outro dado interessante é que, em relação ao investimento em 2020, é previsto que em 2021, 71% aumente o investimento.


De acordo com o levantamento feio pela AlgoritmCOM com os profissionais de marketing, a definição de influenciadores é aquela pessoa que dialoga com a sua comunidade engajando com um propósito.


“Muitas vezes esses perfis são capazes de hackear os sistemas, ou seja, de trabalhar além das normativas previstas pelas plataformas digitais, criando oportunidades para que as empresas se comuniquem com públicos de interesse, seja para awareness, seja para, efetivamente, venda/conversão”, segundo os entrevistados através da pesquisa pela AlgoritmCOM.


Em relação ao budget, houve um aumento de 68% na faixa de investimento entre 300 mil e 1.5 milhões de reais de 2019 para 2021 e os três itens que mais aparecem nas composições dos valores são: 80% de contratação direta de influenciadores, 79% de conteúdo, produção e edição; e 65% de tecnologia e ferramentas. Em relação aos resultados de 2019, vemos que as empresas estão investindo mais em conteúdo, ferramentas e pagamento direto do consumidor, já os custos com experiências (viagens, festas, etc) e press kit diminuíram de importância.


Em contrapartida, os fatores que impedem as marcas de investirem mais em influência são a dificuldade de quantificar o ROI e provar a efetividade do influenciador (72%), a dificuldade de encontrar o influenciador certo para a marca (35%), 32% acham muito caro e 27% acredita que a profissionalização do mercado ainda é baixa.


Por outro lado, a pesquisa revela que 40,6% das marcas não estabelece e nem cobra um resultado dos influenciadores e 1 em cada 3 não define as métricas e indicativos de sucesso da campanha antes de realizá-la. Para Bia Granja, da YOUPIX, a definição da atuação do influenciador dentro da estratégia de marketing da marca é ponto-chave para estabelecer a narrativa e as métricas certas de avaliação do resultado da campanha. “Isso deve ser feito ANTES da ação, no momento do planejamento. Se não sabemos onde queremos chegar e como vamos medir, nossa atuação se torna tática e não conseguiremos mensurar nada além de alcance e engajamento de posts”, completa.


De fato, 82% das marcas ainda têm como principal critério de sucesso a soma do alcance e engajamento dos posts realizados pelos influenciadores. “Isso diz pouco ou quase nada sobre o verdadeiro resultado da influência, visto que alcance e engajamento não demonstram o impacto da ação para o negócio”, diz Bia.


Os entrevistados concordaram que não há um modelo ótimo para definir o que é um ROI bom ou ruim quando se fala de trabalho com influenciadores, não só porque cada área tem as suas complexidades particulares, mas, sobretudo, porque o mercado ainda não aprendeu direito a medir isto.

Para conferir a pesquisa completa sobre ROI e Influenciadores, clique aqui.

ASSINATURA ELETRÔNICA

As transformações que marcaram 2020 seguem ganhando espaço em 2021 e mudando para melhor a mentalidade dos setores mais convencionais. Um bom exemplo são os documentos digitais, aqueles que podem ser emitidos diretamente de um computador ou outro dispositivo com acesso à internet. Além de reduzir o uso do papel, eles facilitam o arquivamento, proporcionam sua categorização e, consequentemente uma gestão muito mais avançada. Mas, afinal, devemos confiar nestes documentos? A resposta é sim.

“Esta é uma pergunta muito comum, feita por muitos clientes. Eles questionam, por exemplo, se existe a mesma validade jurídica, se realmente os documentos são armazenados com absoluto sigilo e se há risco de os dados serem perdidos”, afirma Rafael Figueiredo, CEO e fundador da D4Sign, plataforma brasileira de assinatura eletrônica.

Segundo o executivo, primeiro é preciso compreender que documentos digitais não são documentos digitalizados – aquele que a pessoa simplesmente escaneia e manda por e-mail ou por WhatsApp. “São coisas totalmente diferentes. Um documento digital é um documento emitido de maneira eletrônica, logo ele possui validade jurídica porque recebe uma certificação digital”, explica o executivo.

Figueiredo listou seis bons motivos para confiar – e aderir – os documentos digitais, que seguem abaixo:

1 – Validade jurídica com praticidade
Sabe aquela burocracia de ter que ir ao cartório, enfrentar uma fila daquelas e esperar alguém colocar um selo no seu documento para confirmar sua validade? Isso não é mais necessário graças à Medida Provisória 2.200, de 2001: trata-se de uma norma responsável por regularizar e validar os contratos digitais no Brasil e que permitiu a criação da Infraestrutura de Chaves Públicas (ICP-Brasil) e o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI).
Com esta regra, os documentos eletrônicos que recebem a validação destes institutos passam a reunir os dois princípios fundamentais de todos os documentos com validade jurídica, o de integridade e de autenticidade. Por isso, o efeito é o mesmo se você foi ao cartório ou se fez tudo por uma certificadora digital. “O valor de ambos os documentos é igual”, esclarece Figueiredo.

2 – Mais segurança
Documentos em papel são muito mais suscetíveis a acidentes – de incêndio a inundações, e até mesmo uma xícara de café ou outro tipo de substância. “Isso não acontece com os documentos digitais, já que eles são virtuais e ficam guardados na nuvem”, afirma o especialista.
Além disso, no caso da D4Sign, os documentos são armazenados na nuvem da Amazon (AWS), reunindo todos os certificados de segurança da informação – o que garante que os dados estejam guardados de maneira segura e replicados em mais de um data center. “Isso impede a perda de dados, mesmo que ocorra algum imprevisto com a nuvem.

3 – Garantia de sigilo
Por muitos motivos, o armazenamento em nuvem permite maior proteção às informações. Primeiro porque os dados passam a ser compartilhados mediante uso de senhas e logins – justamente para limitar o acesso indevido aos arquivos sigilosos. Segundo porque toda a informação é criptografada, garantindo que apenas as pessoas autorizadas possam acessar o arquivo.
Outro ponto é que, dentro das empresas especializadas em assinatura eletrônica, adota-se os contratos de confidencialidade, que são extremamente rígidos. “Toda pessoa que se relaciona direta ou indiretamente com dados sigilosos deve assinar um documento destes comprometendo-se a manter o sigilo dos dados trocados com a sua organização”, informa o executivo da D4Sign.

4 – Facilidade de acesso
Como os documentos são digitais, eles podem ser acessados diretamente de um computador ou dispositivo móvel ligado à internet – desde que a pessoa tenha permissão para isso. “Não existe mais a necessidade de se deslocar para validar um documento. Isso simplifica e agiliza o processo”.

5 – Organização dos documentos
Com os documentos eletrônicos, pode-se dizer adeus às pilhas de papel, às pastas amontoadas e às gavetas lotadas. A digitalização torna possível depositar milhares de arquivos em um único lugar — basta um computador ou dispositivo conectado à internet.
Além disso, é preciso ressaltar a praticidade na busca de documentos. Em vez de vasculhar gavetas e prateleiras, basta digitar uma palavra-chave no campo de pesquisa para encontrar exatamente o que se está procurando. “Nos casos administrativos, estamos falando de redução de custos graças à economia de tempo”, conclui o CEO da D4Sign.

6 – Mais sustentabilidade
Por serem feitos em papel, os documentos físicos utilizam como matéria-prima a celulose extraída das árvores e, não raramente, são descartados na natureza. Com a digitalização, esse processo deixa de existir, poupando as árvores. A D4Sign, inclusive, criou um selo de sustentabilidade digital que mostra para o cliente o quanto ele está deixando de impactar no meio ambiente ao diminuir o uso de papel. A novidade já está disponível para toda a base desde fevereiro.

LEIA MAIS

Especial: Consumo de Mídia e Internet desacelera no Brasil

Destaque: PwC: 24ª Pesquisa Global Anual de CEOs

Vídeos: Globo anuncia união das marcas

Artigos:

Simone Cyrineu, Ronaldo Ferreira Júnior, Sérgio Lima, José Maurício Alves Pires, Dr. Francisco Gomes Júnior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *