GERAÇÃO Z CONFIA EM MARCAS QUE APOIAM CAUSAS SOCIAIS – 23.04.2021

Nativos digitais, criadores de conteúdo e militantes de suas próprias questões: essas são características da chamada Geração Z, que compreende uma juventude cada vez mais consciente de seus atos na Internet e de causas atuais. Baseados em pilares como clima, sociedade, igualdade e representatividade, 66% dos jovens entre 18 e 24 anos afirma que a sua geração tem a capacidade de atuar na resolução de problemas globais. O dado vem da pesquisa “Truth About Generation Z”, realizada pela McCann e que ouviu 2.500 jovens em 26 países. O destaque dos resultados do estudo vai para uma geração com consumo engajado e sem limites de gastos. 

O estudo indicou que 69% dos entrevistados no mundo afirmam estar dispostos a pagar mais a uma marca quando ela tem valores alinhados aos seus, enquanto no Brasil a porcentagem cresce para 71%. Segundo Renata Bokel, CSO da WMCCann, os jovens brasileiros tendem a confiar mais nas marcas do que no próprio governo. “Eles [os jovens] veem as marcas como aliadas da luta. Vemos que eles pensam que podem influenciar as marcas a ter uma postura diferente e, consequentemente, ter um mundo melhor”, diz. Ainda segundo dados do Brasil, 81% da Geração Z acredita que carrega consigo a responsabilidade de contribuir positivamente à comunidade em que vivem.

Para a CSO, a pandemia tem impacto direto no levantamento, criando uma “nova visão sobre o papel das pessoas no mundo”, além da forma como a Geração Z encara os acontecimentos atuais. 81% dos brasileiros espera que coisas ruins aconteçam no mundo atualmente. Ainda, 53% dos 2.500 jovens analisados concordam que  “a sociedade permanecer a mesma como é atualmente” é mais assustador do que “a sociedade mudando drasticamente no futuro”. Internacionalmente, 66% dos americanos concordam com a declaração, contra 22% dos chineses. 

Um assunto que está em pauta atualmente é a tendência ao chamado “cancelamento”, e os resultados obtidos pela MCCann revelam que os entrevistados estão divididos quanto ao tema. Em todo o mundo, 51% acreditam que “a cultura do cancelamento foi longe demais” e 49% acham que “mais pessoas precisam ser responsabilizadas”. 

Além de lutar por questões que envolvam o coletivo e por serem uma geração conectada em rede, os jovens se sentem sozinhos apesar da companhia de familiares e amigos (75%). Além disso, 38% da amostra brasileira diz que os problemas atuais são grandes demais para serem resolvidos, contra 34% mundialmente. Ainda, a pesquisa revelou uma geração ansiosa no brasil, na qual 69% sentem-se pressionados a estarem sempre ocupados. 

Como conselho para as marcas, Renata Bokel recomenda que elas estejam atentas às questões que dizem respeito à vulnerabilidade e fragilidade das relações atuais e vejam as alegações dos jovens como oportunidade para preencher o vazio que eles sentem. Também, ela chama atenção de que o mundo está cada vez mais sem fronteiras graças às redes sociais e que as tendências podem vir de qualquer lugar. “Precisamos olhar para esses jovens como uma geração em massa, que não vai eclodir de um centro urbano específico”, acrescenta. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *